Open SAP Lab

Rede interdisciplinar de investigação-ação de processos participativos em Arte, Ciência e Filosofia.

OPEN SAP Lab é um projecto interdisciplinar de investigação-acção dos processos participativos em Arte e Ciência em Portugal, introduzindo uma novidade: a Filosofia participativa. Trata-se de acrescentar ao carácter reflexivo e de análise sempre a posteriori da Filosofia, uma dimensão prática que pretende construir o pensamento de uma forma experimental, partindo de um processo bottom-up.

Acreditamos que esta contaminação dupla entre as vertentes teorética e prática constitui um enriquecimento mútuo, que conduzirá a uma compreensão mais alargada e profunda de todo o universo da temática da participação e que, por conseguinte, terá um enorme impacto tanto social como académico, permitindo uma nova e melhorada abordagem das próprias práticas participativas. Open SAP Lab põe em articulação as áreas da Ciência, da Arte e da Filosofia, afirmando-se, portanto, como um lugar onde se articulam e estabelecem, ao mesmo tempo, três vértices: de acção participativa, de reflexão académica e de investigação científica.

A riqueza e a originalidade deste projeto decorrem assim de três fatores fundamentais:
1. Investigação e acção – interacção das duas vertentes e permanente colaboração da esfera académica com as várias plataformas de ação social e artística.
2. Interdisciplinaridade – cruzamento de diversas áreas do conhecimento e da acção participativa, nomeadamente: Ciência, Arte e Filosofia.
3. Filosofia prática/aplicada/em acção – fazer intervir a Filosofia, quer na relação teórica e prática entre Ciência e Arte, quer como interveniente directo e activo nas próprias práticas participativas, quer, ainda, como dispositivo reflexivo sobre todo o trabalho de intercâmbio desenvolvido no projecto.

Entidades envolvidas

OPEN SAP Lab convoca entidades de diversas naturezas institucionais, umas de natureza académica, outras de acção artística e social, cada uma com o seu historial de programa participativo autónomo, e que encontram nesta parceria uma possibilidade única para melhorar, desenvolver e enriquecer a produção de conhecimento que se gera nas suas acções as quais, precisamente com esta parceria, ficam largamente potenciadas, tanto no âmbito prático, tanto no âmbito teórico. OPEN SAP Lab potencia a sua capacidade crítica e o seu campo de acção comum.

O projecto reúne uma rede diversificada de parceiros, relacionados a áreas como a ciência, a arte contemporânea, as artes performativas, a arquitectura, a inclusão social e a acessibilidade cultural.
Isto permite uma grande abrangência social e fomenta a complementaridade sectorial dos actores envolvidos. Complementaridade que permite tanto rentabilizar as especificidades de cada parceiro, como fortalecer as intervenções naqueles locais onde habitualmente actuam.

Os concelhos abrangidos por esta rede de parceiros são Lisboa, Almada, Sintra, Évora e Beja.

Constituem esta rede as seguintes entidades:
1. O laboratório SAP LAB, com uma equipa multidisciplinar de investigadores,
2. O Fundo de Arquitectura Social (FAS)
3. Colectivo Warehouse- Associação AMOVT
4. Plano Lisboa
5. Atalaia. Associação dos amigos da cultura e das artes
6. Associação Frame 408
7. Associação Cultural Canto do Curió

ACTIVIDADES
Encontros mediação & investigação

5 Oct, 19 Oct 2016

plano-lisboa

Talks Critical Cities
Pólo cultural Gaivotas | Boavista.

Sérgio Azevedo, curador geral do programa Critical Cities, desafiou cinco comissários que irão trazer ao Pólo Cultural Gaivotas | Boavista – Meeting Point Critical Cities – três conversadores em cinco sessões temáticas.
Iremos conversar sobre a relação da Arte Contemporânea com o espaço público, a arquitetura e urbanismo, os sistemas de comunicação, as diferentes comunidades urbanas, a pedagogia, as políticas colaborativas e o desenvolvimento das cidades.

CONVERSA CXXXII
5 Out 2016. 19h
Collaborative cities: co-criação, participação e espaço público
Comissária: Catarina Pombo Nabais / SAPLab

criticalcitiestalk1

CONVERSA CXXXIV
19 Out 2016. 19h
Comissária: Catarina Pombo Nabais / SAPLab
Oradores: Gonçalo M. Tavares, Os Espacialistas, Valter Ventura

unnamed

 

29 Sept-09 Oct 2016

atalaia

Atalaia Artes Performativas
O AAP oferece um terreno de trabalho profícuo para o processo de experimentação em artes performativas, numa perspetiva abrangente e integradora, contribuindo para o estabelecimento de dinâmicas com a comunidade e os agentes integrantes da atualidade artística.
Compreende um programa de residências de criação + festival, aposta no serviço educativo e desenvolve iniciativas paralelas, reunindo no Baixo Alentejo, nomeadamente em Almodôvar, Ourique e Aljustrel, um conjunto de criadores nacionais e internacionais.

Festival
O festival Atalaia Artes Performativas é uma mostra e uma reflexão sobre os projetos artísticos criados durante as residências de criação. Estes projetos, selecionados através de concurso internacional, desenvolveram-se numa relação direta com as comunidades locais e o seu contexto.

Fórum Aberto I e II: processos participativos em artes performativas
1 e 2 de Outubro de 2016
15h00-17h00, Mercado Municipal, Ourique

O SAP Lab colabora na organização de um fórum aberto, integrado no programa deste festival, sobre processos participativos em artes performativas.

Os autores que participam no projeto ATALAIA Artes Performativas 2016 aplicam ações artísticas participativas desenvolvidas em residência artística em Ourique, Almodôvar e Aljustrel. Este projeto de investigação vai ao encontro desta riqueza metodológica, ao propor um encontro entre a equipa do OPEN SAP Lab e estes artistas em residência num Fórum Aberto. A aplicação desta metodologia implica uma abertura de objetivos a alcançar dentro da problemática participativa mas permite, desde logo, ter como resultado o mapeamento de movimentos participativos com este coletivo alargado.

O OPEN SAP LAB propõe a metodologia de Fórum Aberto ou Open Space Technology – uma forma de organizar reuniões, encontros, conferências, eventos comunitários. A aplicação da metodologia de Fórum Aberto pode facilitar o enquadramento dos processos de decisão locais na discussão geral sobre processos participativos. Pela metodologia OST, a agenda do encontro está vazia no início do encontro e é construída pelos próprios participantes. Esta metodologia funciona com melhores resultados quando há um objetivo ou ferramenta específica e comum a quem participa nesse encontro.

O SAP Lab e o seu projeto participativo

Conferências

PP

PROCESSOS PARTICIPATIVOS EM ARTE E EM CIÊNCIA

Download programa

O Sci-Art-Philo Lab (SAP Lab) é um laboratório interdisciplinar e experimental vinculado ao CFCUL, que se centra na convergência e na hibridação que pode dar-se entre a Arte, a Ciência e a Filosofia. É constituído por uma equipa de investigadores das três áreas e tem por objectivo a integração das práticas artísticas e científicas com a análise conceptual que pode facultar a Filosofia.

Entre os diversos desafios com que o SAP Lab se defronta enquanto projecto de natureza interdisciplinar, encontra-se a tensão epistemológica que decorre dos ajustes das relações entre disciplinas e do questionamento da sua permeabilidade enquanto campos porosos, capazes de absorver e transferir novas ideias, conceitos e desenvolvimentos.

Mas existe igualmente um desafio pragmático ligado ao reconhecimento da interdisciplinaridade como ferramenta essencial tanto para a elaboração de conhecimento novo, como para uma abordagem complexa dos “problemas reais” da sociedade actual.

Este aspecto pragmático articula-se directamente com o interesse do SAP Lab pelas estratégias e metodologias que permitem desenvolver processos participativos, que facilitem o intercâmbio entre o nosso laboratório e contextos sociais alheios à pesquisa académica.

É por isto que desenhamos estas primeiras jornadas sobre “PROCESSOS PARTICIPATIVOS EM ARTE E EM CIÊNCIA” com a vontade de aprofundar o conceito de participação a partir dos pontos de vista específicos de cada uma das áreas. Analisaremos como a Arte e a Ciência redefinem a sua actividade sob a mudança de contexto e dos actores implicados, e exploraremos com que métodos, tanto artistas como cientistas, conseguem envolver os cidadãos na construção de espaços participativos para além das fronteiras disciplinares e das demarcações tradicionais.

Dedicaremos o dia 25 de Fevereiro à Arte:
“A Arte Urbana Participativa. Diversos olhares.”
Anfiteatro da Fundação da FCUL, Edifício C1, Piso 3
9.30h – 18h

E o dia 10 de Março à Ciência:
“Participar na Investigação Científica? Como?”
Sala 6.2.45, FCUL, Edifício C6, Piso 2
14h – 19h

Serão, pois, dois dias de partilha de ideias e de intenso debate, dos quais esperamos que surjam os traços preambulares de novos projectos concretizados através do SAP Lab.

25.02.16

A ARTE URBANA PARTICIPATIVA DIVERSOS OLHARES

Anfiteatro Fundação FCUL, Edifício C1, Piso 3
Coordenação da sessão: Ana Vilar Bravo

9.30h – 10h Acolhimento | Apresentação

Catarina Pombo Nabais, head SAP Lab

10h – 10.30h Alexandra Paio, directora do VFabLab e Professora no Departamento de Arquitetura do ISCTE.
10.30h – 11h Vanessa Teodoro, aka THE SUPER VAN, Ilustradora e Street Artist.

11h – 11.30h Debate | Intervalo 30 minutos

11.30h – 12h Lara Seixo Rodrigues, ESPIGAR NAS GENTES, MISTAKER MAKER,MURALIZA, WOOL FEST e LATA 65.
12h – 12.30h Miguel Januário, aka ±MAISMENOS±, Designer de Comunicação e Street Artist.

12.30h – 13h Debate
13h – 14.30h Pausa para Almoço 1h30

14.30h – 15h António Brito Guterres, VFABLAB, INURA International Network for Urban Research and Action, DINÂMIA’CET-IUL e K’CIDADE.
15h – 15.30h Sílvia Câmara, GAU – Galeria de Arte Urbana (CML, Departamento de Património Cultural).

15.30h – 16h Debate
16h – 16.30h Intervalo 30 minutos

16.30h – 17h Teresa Malafaia, Directora do Programa em Cultura e Comunicação e Directora do Mestrado em Turismo e Comunicação (FLUL).
17h – 17.30h Pedro Delgado Alves, Presidente da Junta de Freguesia do Lumiar.

17.30h – 18h Debate | Encerramento

 10.03.16

PARTICIPAR NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA? COMO?

Sala 6.2.45 FCUL, Edifício C6, Piso 2
Coordenação da sessão: João Cão

Desde que existe a profissão de cientista, que não-cientistas participam em investigações. Face ao desenvolvimento, maior a necessidade de uma sociedade participativa e informada sobre a ciência. Torna-se importante pensar, discutir e encontrar soluções em conjunto. O que significa participar na investigação científica? Como é que acontece? Como reforçar uma participação activa?

Ver programa completo

14h – 14.10h  Acolhimento
Catarina Pombo Nabais (Head do SciArtPhilo Lab, CFCUL)

14.10 – 15.30h  Apresentações

Rui Agostinho (OAL, IA)
Participação pública na Astronomia e Astrofísica

André Vizinho (CCIAM, cE3c – FCUL)
Investigação-Acção participativa
Apresentação da investigação-acção, de exemplos e métodos concretos participativos e do seu potencial para gerar acção, conhecimento útil e acelerar a evolução da sociedade.

Marisa Borges (GPPQ – FCT, Agência Nacional de Inovação, Ponto de Contacto Nacional para o Programa Science with and for Society do Horizonte 2020)
Cidadania e participação na investigação científica no H2020
O H2020 estabelece a participação dos cidadãos na definição das políticas de investigação e no desenvolvimento das diferentes acções como um aspeto transversal a todo o programa e espera-se que esta questão seja considerada pelas acções desenvolvidas no âmbito dos diversos programas. Não obstante esta transversalidade, existe um programa específico que tem como missão financiar acções específicas para promover esta participação. Esta apresentação pretende apresentar à comunidade as oportunidades de financiamento no âmbito do Programa Science with and for Society, explorando a sua ligação com o enquadramento e objetivos gerais do H2020.

Cristina Luís (MUHNAC-ULisboa/CIUHCT-UL/CIES-ISCTE-IUL)
Colecções Científicas no cruzamento entre a Ciência e a Sociedade
Apesar das colecções científicas se encontrarem no cruzamento entre as ciências, as humanidades e os mais importantes espaços de compreensão pública da ciência, os museus, ainda são poucos os projectos de participação pública na investigação científica que envolvem este tipo de colecções. Será apresentado um projecto em desenvolvimento que pretende analisar de que forma a utilização de colecções científicas em projectos de participação públi ca na investigação científica poderá funcionar como veículo de promoção da cultura científica no sentido do diálogo crescente entre cientistas e a sociedade.

Filipe Alves (CCIAM, cE3c – FCUL)
Participação pública na adaptação climática
Lições e modelo do projecto BASE – Bottom-up Climate Adaptation Strategies Towards a Sustainable Europe – aplicado no concelho de Cascais desde 2014.

Patrícia Tiago (BioDiversity4All)
O Projeto BioDiversity4All: a ciência cidadã e a biodiversidade
O Projeto BioDiversity4All (Biodiversidade para Todos), online desde 2010, tem como missão envolver o maior número de cidadãos no conhecimento e registo da Biodiversidade em Portugal. Com mais de 350.000 observações registadas, mais de 2.300 utilizadores e de aproximadamente 5.400 seguidores na rede social Facebook, a plataforma BioDiversity4All.org tornou-se um importante veículo de transmissão e partilha do conhecimento da biodiversidade nacional.

Tatiana Arquizan (Canto do Curió, CFCUL)
Investigação-acção no 2.º Torrão, Trafaria
O Projecto Novos Decisores Ciências procura criar uma pergunta de investigação original pela colaboração entre pessoas do bairro do 2.º Torrão, investigadores científicos profissionais e mediadores deste processo que se iniciou em 2014. Este trabalho faz parte da rede internacional Nouveaux Commanditaires Sciences e tem o apoio financeiro da Fondation de France.

Lanchinho (a partir 15.30h)

16h – 17.30h Fórum de discussão

Divididos em grupos menores, os participantes discutem a partir da mesma pergunta: Participar na investigação científica? Como? Tem-se como objectivo identificar problemas e tópicos de trabalho conjunto.

17.45h – 19h Discussão final

As informações e problemas encontrados nos pequenos grupos são partilhados. Estabelece-se a equipa de organização de um documento final, a partilhar entre todos até sete dias após o encontro.

19h Encerramento

PARCERIAS
cE3c – Centre for Ecology, Evolution and Environmental Changes
Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC)
CCIAM – Climate Change Impacts Adaptation & Modelling Research Group
CIUHCT – Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia
CIES-IUL – Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Biodiversity4all – A Biodiversidade para todos – Portugal
Associação Cultural Canto do Curió
Projecto Pátio Ambulante (Associação FRAME408)

Seminários

24 Junho 2016
28 e 29 Abril 2016
18 Abril 2016
14 Março 2016
23 Fevereiro 2016
11 Fevereiro 2016
4 Fevereiro 2016

Advertisements